Cartas da História (Parte 11)

Parte 12
30/01/2012 – Orando por Nina, orando pelo Reino do Senhor Jesus
Queridos,
Como muitos de vocês já sabem, desde 01 de dezembro eu e minha família estamos em Campinas-SP. Quando esta data foi estabelecida, nada passava em nossa cabeça sobre ficar mais de um mês, tempo inicialmente planejado. Deixe-me lhes contar um pouquinho sobre isso.
 
Há cerca de um ano e meio, através de uma radiografia, foi visto algo estranho entre minha tíbia e fíbula (ossos da perna). Achamos que fosse um osteocondroma (tumor benigno ósseo), pois eu já havia tido um no mesmo lugar há 12 anos. Decidimos que eu faria a cirurgia em Campinas, em dezembro de 2011. Assim, marcamos em aproximadamente agosto/setembro de 2011 o dia de nossa aterrissagem para este fim. Daí vieram as notícias sobre Nina.
 
Na primeira fase, quando descobrimos que ela tinha lábio leporino e fenda palatal, conversamos com a liderança da IBCU, que nos sugeriu ficarmos um ano e meio para cuidarmos deste problema. Depois, ao descobrimos a síndrome, há menos de 10 dias de nossa aterrissagem, consideramos ficar seis meses a menos, ou seja, um ano completo. Pela misericórdia de Deus foi descoberto que eu não precisaria da cirurgia. Motivo: a imagem que se suspeitava não era um tumor benigno, mas um calo ósseo que cresceu de ambos os lados e se juntou, possivelmente decorrente da cirurgia, há 12 anos. Aleluia!
 
No final deste mês (janeiro), completará dois meses que já estamos em Campinas, com saudades da “terrinha”, mas também contentes por tanto amor, consolo e a gratidão pelo benefício de estar ao lado de nossos pais, preparando-nos para uma situação bastante complexa. Não sabemos precisar a qualidade de vida que Nina terá – mas seguramente faremos o possível para que seja a melhor. Ainda oramos para que Deus a cure e que a dê uma vida saudável, mas acima disso, que em todo o processo da decisão soberana de nosso Deus, Seu nome seja glorificado.
 
(…)
 
Eu e minha família somos muitíssimos gratos a cada um de vocês que tem orado e contribuído de outras formas para o ministérios que juntos desenvolvemos. Que o Senhor possa retribuir conforme sua justiça e graça.
 
Agradeça conosco
  • Por tanto carinho recebido. Não merecemos nada disso e louvamos a Deus por Sua bondosa mão acolhedora e provedora.
Peça conosco
  • Nina está na reta final. Que o Zambelli, Karen e Enzo estejam especialmente preparados para este dia.
Anúncios

Cartas da História (Parte 9)

Parte 9
28/12/2011 (Em Campinas-SP) – Um voo sobre essa história
 
Queridos amigos e irmãos,
como vocês possivelmente perceberam pelo cabeçalho desta cartinha, nós estamos em Campinas-SP. Isso mesmo, estamos em Campinas desde o primeiro dia de dezembro. Desde nosso planejamento para passar o final do ano por aqui, as coisas mudaram bastante.
 
Mais ou menos no dia 10 de novembro nós descobrimos que nossa filha, Nina, que ainda está na barriga da mamãe, tem lábio leporino e fenda palatal. Ficamos muito tristes com a notícia, que veio a se tornar o menor dos males. Na semana seguinte desta descoberta, foi encontrado um problema cardíaco em seu pequenino coração. Tal associação de problemas sugeria algo ainda mais problemático, que foi diagnosticado com um exame genético próximo ao dia 23 de novembro: síndrome de Patau, uma trissomia do cromossomo 13; segundo a medicina, incompatível com a vida.
 
Quando planejamos nossa vinda para Campinas, o intuito principal era a retirada de um osteocondroma na perna direita do Zambelli, marcada agora para a primeira metade de janeiro. Com toda essa informação sobre a Nina, tomamos a decisão, junto à igreja, de ficar todo o ano de 2012 por aqui. Zambelli ajudará e aprenderá com três pastores em diferentes áreas: jovens, discipulado de adultos e evangelização. Que Deus lhe dê discernimento e humildade em tudo o que fizer.
 
Fizemos mais dois exames neste final de ano. Nina continua muito bem enquanto dentro da mamãe. Seu coração bate forte e ela cresce bem. Enquanto isso, nossos corações, mesmo tristes, encontram força no Deus que é capaz de aprovisionar nossas almas. Agora, neste mar de novidades, nunca pensamos ser tão grande a maré em prol do aborto. Que Deus continue nos dando a certeza das corretas decisões.
 

Por agora estamos morando com o Pr. Oswaldo e Inayá (pais da Karen), mas antenados para alguma moradia que nos aparecer. Eles têm sido extremamente carinhosos. Enzo tem se divertido muito com eles, seu avós paternos (Antonio e Vicentina) e vários amigos e amigas que ele não via há algum tempo. Somos extremamente gratos a Deus por isso!

Pedido de oração

  • Pelo nossa fidelidade para com Deus, especialmente neste momento delicado de gestação. Orem por um milagre, mas também orem para que possamos tomar as melhores decisões quando nos forem requisitadas.


Agradecimentos

  • Pelas várias pessoas que têm orado constantemente por nós, especialmente por Nina;
  • Pela IBCU, que nos acolheu com tanta prontidão e carinho;
  • Por algumas ofertas específicas, que nos abençoa muito!
  • Pela provisão de Deus em nos deixar a par sobre os problemas que Nina tem;
  • Pela liderança do ministério de missões da IBCU, que tanto faz e pensa no Reino de Deus.



O resumo da descoberta

Ontem foi Natal, dia de alegria no seio de muitas famílias. Assim também foi na nossa, contrariando a expectativa de muitos que já sabem do problema que nos acompanha: gestação de uma criança com síndrome de Patau, uma trissomia do cromossomo 13.

Nina é nossa segunda filha. Ela tem 28 semanas de vida e já é muito amada por nós: eu, seu pai; Karen, sua mãe; Enzo seu irmão de 2 anos e 9 meses. Dizer que ela tem 28 semanas de vida não significa que ela já possa ser literalmente abraçada pelo papai. Ela ainda está na barriga da mamãe, mas sim, seguramente viva e indubitavelmente nossa filha – como sempre a tratamos.

Faz pouco mais de um mês que a trissomia foi confirmada. Quando fizemos o ultrassom morfológico, exatamente em sua 22a semana de vida, descobrimos que Nina tinha lábio leporino e fenda palatal. Tais informações nos deixaram muito tristes, mas com o tempo e a evolução no conhecimento do problema, estas se tornaram coisas bem pequenas. Com 23 semanas, Nina foi diagnosticada por uma reconhecida e renomada médica com problemas cardíacos. Ela tinha o ventrículo direito maior que o normal; talvez o ventrículo esquerdo menor que o normal. Fato é que os ventrículos não estavam anatomicamente perfeitos. Tal condição cardiopática associada a fenda palatal e o lábio leporino, sugeria algumas síndromes.

Foi então que fizemos a coleta de líquido amniótico e encaminhamos para um laboratório de genética em Belo Horizonte-MG. Dois dias depois tivemos a resposta do exame molecular da avaliação da amostra: Síndrome de Patau.

Depois de cada descoberta, derramávamos lágrimas. Eu chorava mais fora de casa, pois queria ter um ombro disposto para a Karen se consolar. Sabíamos com quem conversar neste momento: falamos com Deus, pedindo por um milagre, mas também o bendizíamos pelo privilégio do aprendizado, que ainda não acabou.

Meu propósito com este blog é descrever o processo que já passou, tenho passado e ainda passarei, tendo uma filha diagnosticada com síndrome de Patau. Espero que ao final, pessoas que tiverem acesso a estas palavras, sintam-se mais fortalecidas; não por causa do que eu escrevi, mas porque eu deixei a certeza de onde é possível buscar o verdadeiro consolo.