Juntos por breves vidas

O vídeo abaixo é da organização Together for Short Lives. Seguramente, muitos leitores de Nina Minha Filha se sentirão familiarizados com essa belíssima animação.

Como o vídeo ainda não tem legenda, coloquei a tradução abaixo dele.

Well, it was a real moment, I suppose…
Bem, era um momento real, acredito eu… 

That day I came home and told him, “We’re having a baby!”
Aquele dia eu cheguei em casa e disse a ele: “Vamos ter um bebê!” 

It’s one of those special memories, isn’t it?
Essa é uma daquelas memórias especiais, não é?

And your mind starts filling up with thoughts,
E sua mente começa a se encher de pensamentos, 

really happy thoughts,
pensamentos bem felizes. 

imagining what might come next,
imaginando o que estaria por vir, 

like their first birthday, their graduation, marriage,
como o primeiro aniversário, a graduação, o casamento, 

and maybe even children of their own.
e talvez até mesmo seus próprias crianças. 

And I remember the moment it all changed…
E eu me lembro o momento quando tudo isso mudou… 

listening to the doctor,
escutando o doutor, 

all of that information.
toda aquela informação. 

But only one bit of it really standing out: life-limiting.
Mas só um trecho da conversa se destacava: vida limitada [incompatibilidade com a vida

My child was going to die.
Minha criança ia morrer. 

And it all kind of stopped.
Parece que tudo parou. 

We felt lost, and out of reach. And you can feel really alone.
Nós nos sentimos perdidos, fora de alcance. E você consegue se sentir bem sozinho.

But then someone was there for me,
Mas tinha alguém ali para me ajudar, 

just a helping hand, or a kind word, or even a smile.
uma mão amiga, ou palavra gentil, ou mesmo um sorriso. 

It sort of grounds you back down to earth, in a way.
Meio que lhe traz de volta à Terra, de certa forma. 

And we felt, “There are moments to savor.”
E nós sentimos, “Há momentos para saborear.” 

And the moment you realize that there are people who can give you the advice you need is so special.
E o momento que você percebe que há pessoas que podem lhe dar o conselho que você precisa é bem especial. 

It has helped us to make all the time count for our family, to have a life– no matter how short, and to be together.
Isso nos ajudou a tornar todo este tempo valioso para a nossa família, em ter uma vida; independente se curta e se para ficar juntos.

Compatível com o amor

Frase original:

Even though some doctors say she is “incompatible with life”, we say she is COMPATIBLE WITH LOVE. — Naomi Coy

Tradução parafraseada:

Ainda que os médicos digam que nossa nossa filha tem uma vida incompatível com a vida, nós dizemos que ela tem uma vida compatível com o amor. — Naomi Coy

Copiado do Facebook

Detalhes da história em 10TV

Querida futura mamãe (Síndrome de Down)

A filial italiana da Saatchi & Saatchi aproveitou um e-mail enviado por uma futura mãe para criar a nova campanha da CoorDown, organização nacional de apoio à Síndrome de Down.

“Que tipo de vida o meu filho vai ter?”, perguntou a mulher que estava com medo, pois acabara de descobrir que seu filho iria nascer com a doença genética.

O anúncio, feito especialmente para o Dia Mundial da Síndrome de Down, celebrado em 21 de março, traz 15 portadores da Síndrome de Down para responder a pergunta da mãe, mostrando as alegrias e os desafios que o filho possivelmente enfrentará no futuro.

O filme adota o conceito “Todo mundo tem o direito de ser feliz”, a fim de promover a diversidade e integração na sociedade, especialmente na escola e no trabalho.

Este é o terceiro ano de trabalho da Saatchi com a CoorDown. As duas últimas campanhas ganharam 11 Leões em Cannes para a agência.

Com informações do Adweek.

Texto copiado de meiomensagem.com.br

Primeiro aninho de um bebê nascido prematuro

Rondando pelo Facebook, vi o vídeo abaixo no mural de uma amiga que recentemente enfrentou a mesma situação tão maravilhosamente compartilhada por Benjamin Scot, pai que fez o vídeo como presente para sua esposa, mãe do bebezinho.

Antes de eu ver o vídeo eu já sabia que choraria – isso era lógico! Foi grande a extensão da diversidade de emoções e lembranças que eu tive. Por exemplo, as nossas idas e vindas do hospital; a gostosa sensação de segurá-la e cantar para ela (“Nina Nina, Ninoca”); e especialmente a gratidão a Deus por Ele ter nos dado a oportunidade de estar com ela em casa.

Enquanto eu assistia o vídeo, desfilava por minha mente as dificuldades que meu casal de amigos recentemente enfrentou. Há menos de dez dias eu conheci a pequenina que eles geraram, cuidaram e consagraram para Deus.

Que este vídeo possa continuar a encorajar pessoas a lutar pela esperança da vida sem perder o foco nAquele que é dá o dom da vida.

Veja o vídeo abaixo. Os sorrisos da mãe e do bebê são lindos!

Vimeo Video